Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Sereia Louca

Sereia Louca

28
Jul19

A geometria da Cova da Moura

Miss X

A Cova da Moura nasceu do fim da ditadura, transformando-se lentamente numa espécie de finisterra independente, mais ou menos como uma colónia perdida dos mais variados herdeiros da descolonização, que se foi abrigando num planalto à sombra híbrida de cova.

Um emaranhado de gente num emaranhado de casas, num lugar emaranhado por uma cidade, emaranhada por outra.

É um enorme complexo, que vive a céu aberto na sociedade portuguesa.

Tem muitas culturas numa cultura própria, muitas esquinas, muitas intersecções, becos e travessas, oficinas, hortas, tascas, comércio, suor, ruído, tijolo, alvenaria, grafitti, antenas parabólicas, estendais, tanques de lavar roupa, degraus, buracos, inclinações, ruas capazes de passar por artéria, outras em que da janela se alcança a janela do vizinho, outras tão estreitas que nem o sol se atreve a lá entrar, outras que parecem um retrato neorrealista de uma aldeia perdida num subúrbio rural.

A geometria da Cova da Moura é variável.

Há assimetrias por toda a parte e inegáveis influências de variadíssimas correntes da pobreza numa arquitetura de condição.

Luís Pedro Cabral in Expresso

Aviso à navegação

A autora deste blog não adopta o novo Acordo Ortográfico

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Criaturas marinhas

  1. 2019
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2018
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2017
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D